quinta-feira, 29 de julho de 2010

Finalização PDE-escola 2010

No período de 13 a 15 de julho, a Técnica da SEE, Fânia Freitas, veio a Tarauacá para a finalização do PDE-escola 2010.




Olimpíada de Língua Portuguesa

O que está em jogo quando avaliamos os textos dos alunos?
Pensar sobre este assunto me trouxe à lembrança Santo Agostinho: “Se não me perguntam o que é o tempo, eu sei. Se me perguntam o que é, então não sei”.1 Sinto o mesmo ao tratar da avaliação dos textos dos alunos...
Por que me atrevo? De um lado porque o tema me interessa profundamente e de outro porque me sinto encorajada desde que Clarice Lispector escreveu gostar muito daquilo que desajeitadamente tenta um pequeno voo e cai sem graça no chão.
Tentado um pequeno voo .
Tudo começa antes de ler, no momento em que tocamos os textos. Há um ritual em tudo isso. Nossas mãos podem se mover com delicadeza afetiva, quando reencontram um conhecido querido, ou com curiosidade ávida, quando se deparam com quem ainda não foram apresentadas. Em ambos os casos, o que está em jogo é o respeito pela autoria, o reconhecimento do lugar do autor que, por definição, é “aquele de que alguém ou algo nasce”.2 Quem escreve sabe o quanto é difícil parir um texto. Neste sentido, dou as mãos ao jornalista Armando Nogueira que disse certa vez: “Eu não gosto de escrever, gosto de ter escrito”3.
Pois bem, não basta engravidar de palavras, é preciso saber costurar, bordar, cortar, embalar, acarinhar. Tanto é que são comuns partos prematuros e até abortos. A escritora Lygia Fagundes Telles conta seu processo: “Ler, ler, ler. Escrever, escrever, escrever e rasgar muito. Eu rasguei muito”4.
Se assim é com escritores profissionais, o que dizer os autores em formação, ou seja, dos alunos? Em primeiro lugar, que são autores! E mesmo se parirem algo aparentemente sem vida, é importante nunca perdermos de vista que “as cinzas guardam as últimas confidências do fogo”5.
Mas o que será que decide se há ou não vida pulsando em um texto? O tempo, os prêmios literários, as editoras, os leitores, os críticos, a propaganda, a qualidade do texto em si, a fama do escritor?
Não sei responder como se dá no mundo, mas no caso da Olimpíada, toda uma engenharia foi pensada para cercar cuidadosamente a questão. Essa engenharia se sustenta em critérios de avaliação comuns a todas as instâncias avaliadoras.
Para ver como o professor deve proceder, clique no link abaixo leia com atenção.
http://escrevendo.cenpec.org.br/ecf/index.php?option=com_content&task=view&id=24486

O que está em jogo quando avaliamos os textos dos alunos?

Tudo começa antes de ler, no momento em que tocamos os textos. Há um ritual em tudo isso. Nossas mãos podem se mover com delicadeza afetiva, quando reencontram um conhecido querido, ou com curiosidade ávida, quando se deparam com quem ainda não foram apresentadas.
Em ambos os casos, o que está em jogo é o respeito pela autoria, o reconhecimento do lugar do autor que, por definição, é “aquele de que alguém ou algo nasce”.2 Quem escreve sabe o quanto é difícil parir um texto. Neste sentido, dou as mãos ao jornalista Armando Nogueira que disse certa vez: “Eu não gosto de escrever, gosto de ter escrito”3.
Pois bem, não basta engravidar de palavras, é preciso saber costurar, bordar, cortar, embalar, acarinhar. Tanto é que são comuns partos prematuros e até abortos. A escritora Lygia Fagundes Telles conta seu processo: “Ler, ler, ler. Escrever, escrever, escrever e rasgar muito. Eu rasguei muito”4.
Se assim é com escritores profissionais, o que dizer os autores em formação, ou seja, dos alunos? Em primeiro lugar, que são autores! E mesmo se parirem algo aparentemente sem vida, é importante nunca perdermos de vista que “as cinzas guardam as últimas confidências do fogo”5.
Mas o que será que decide se há ou não vida pulsando em um texto? O tempo, os prêmios literários, as editoras, os leitores, os críticos, a propaganda, a qualidade do texto em si, a fama do escritor?
Não sei responder como se dá no mundo, mas no caso da Olimpíada, toda uma engenharia foi pensada para cercar cuidadosamente a questão. Essa engenharia se sustenta em critérios de avaliação comuns a todas as instâncias avaliadoras.
Mãos que tocam os textos

Avaliação das ações do 1º semestre

Dia 29 de julho na Escola João Ribeiro, reuniu-se a Equipe do Núcleo, juntamente com os coordenadores das Unidades de Ensino, para avaliar as ações realizadas no 1º semestre e para no coletivo, decidir e pensar o que cada escola precisa potencializar no 2º semestre.

















quinta-feira, 15 de julho de 2010

Prêmio de Gestão

Foram finalistas do Prêmio de Gestão em Tarauacá, a Escola Tupanir Gaudêncio da Costa e Rosaura Mourão da Rocha. Parabéns as duas escolas, pelo compromisso e trabalho realizado.
Os projetos enviados pelas instituições foram avaliados por uma banca examinadora composta por representantes da Secretaria de Estado de Educação, da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (UNDIME), do Conselho Estadual de Educação (CEE), do Colegiado de Diretores de Escolas Públicas Estaduais (CODEP), do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Acre (SINTEAC) e do Sindicato dos Professores Licenciados - Sinplac .
Para a instituição concorrer ao Prêmio Estadual de Gestão Escolar é necessário, que a escola faça uma auto-avaliação compreendendo aspectos como gestão de pessoas, atuação no conselho escolar, integração com a comunidade, participação da comunidade escolar na elaboração das práticas pedagógicas entre outros fatores. Por reunir todas estas qualidades, a última campeã estadual, a Escola Luiza Batista, localizada no Conjunto Esperança, em Rio Branco ficou entre as seis finalistas do Prêmio Nacional.
O governo, através da Secretaria de Estado de Educação, contempla as escolas vencedoras com uma quantia de 22.500 reais, divididos da seguinte forma: 1º Lugar: R$ 10.000,00 e uma viagem de intercâmbio nos Estados Unidos para o gestor; 2º Lugar: R$ 7.500,00 e a terceira colocada, R$ 5.000,00.

Além desta premiação, o Governo do Estado do Acre, através da SEE, contempla os funcionários da escola campeã com um abono salarial de 20% no mês subsequente.
A melhor gestão de 2009/10 será conhecida em cerimônia a ser realizada no Teatro Plácido de Castro no dia 05 de agosto.

As finalistas de 2010 são:
Escolas Diretores Municípios
Madre Hildebranda da Prá Ricardo Gelete de Oliveira -Rio Branco
Francisco Salgado Filho Maria da Conceição Ferreira -Rio Branco
Maria Raimunda Balbino Alice da Conceição Araújo -Rio Branco
Georgete Eluan Kalume Nilva Souza Lima -Rio Branco
Rosaura Mourão da Rocha Raimunda Magda Guimarães Ferreira -Tarauacá
Tupanir Gaudêncio da Costa Raimunda da Rocha Silva -Tarauacá
Francisco Nunes Leitão Ana Maria das Neves Costa -Feijó
Topo Gígio Gelcineide Moreira de Lima -Feijó
Luiz Antônio Meirim Pedreira Rosimar Simião Barros -Cruzeiro do Sul
Maria de Nazaré Lima Milena Pinheiro de Oliveira -Cruzeiro do Sul

Palestra com a Psicóloga Marlene

Dia 12-07-10, na Escola de Ensino Médio, Equipe Gestora e professores foram convidados a participar de uma palestra com a Psicóloga Marlene para juntos dialogar sobre a relação professor e aluno.
Foi uma tarde gostosa, com muitas reflexões e atenção por parte dos presentes.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Orientações para a Comissão Julgadora Escolar







































































Escolas recebem envelopes para as Comissões Julgadoras Escolares

As atividades da Olimpíada na escola estão chegando ao fim. Agora, na volta às aulas, os trabalhos devem ser concluídos e uma comissão julgadora da própria escola irá escolher os textos que a representarão na etapa municipal. Até a primeira semana de agosto, todas as escolas participantes deverão ter recebido envelopes com os materiais oficiais para a escrita dos textos selecionados e o envio às Comissões Julgadoras Municipais.
A escola deverá eleger o melhor texto em cada gênero da Olimpíada trabalhado por seus alunos e enviá-los para a Comissão Julgadora Municipal até o dia 16 de agosto. Para qualquer dúvida, o Cenpec disponibilizou uma central de atendimento: 0800 7719310. Também pode enviar mensagem para escrevendofuturo@cenpec.org.br .
Para facilitar a vida de professores e diretores, a Comunidade Virtual Escrevendo o Futuro apresenta algumas dicas sobre como formar essa comissão na escola e quais devem ser os critérios de referência para a escolha do melhor ou dos melhores textos a serem enviados para a etapa municipal.

O diretor coordena

Todo o processo para a formação da Comissão Julgadora Escolar deve ser coordenado pelo diretor da escola. Durante o primeiro semestre, os professores realizaram oficinas com os alunos do 5º ano (4ª série) do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio com base nas publicações da Olimpíada. Todo esse trabalho deve ser prestigiado e os textos produzidos por todos os alunos merecem ser divulgados e conhecidos. Precisam ter leitores. Por isso, antes de fazer a seleção e enviar os textos escolhidos à Comissão Julgadora Municipal, organize um evento. Os textos podem ser expostos em murais, colocados em blogs na internet, ou serem lidos em saraus literários com a participação das famílias, dos colegas e dos amigos.

Materiais enviados

A escola recebe doze folhas oficiais onde os textos escolhidos devem ser transcritos. São três folhas para cada categoria: poema, memórias literárias, crônica e artigo de opinião. Ela também recebe um envelope oficial para envio dos textos selecionados à Comissão Julgadora Municipal.

A Comissão Julgadora Escolar: de que jeito compor e como realizar?

É na sala de aula que professor e seus alunos escolhem quais textos devem enviar à direção da escola, que é responsável pela constituição da Comissão Julgadora Escolar. Essa comissão deve ser formada seguindo as orientações do item 4.1 do Regulamento da Olimpíada, disponível para consulta no endereço eletrônico: www.olimpiada.cenpec.org.br.
Ela deve ter de três a cinco avaliadores, entre professores de língua portuguesa, representantes dos pais de alunos e representantes da comunidade reconhecidos pelo domínio da língua. Nenhum professor inscrito ou pessoa que tenha vínculo familiar, de parentesco, de amizade ou convivência com os alunos participantes nessa fase da seleção poderá ser membro da Comissão Julgadora Escolar. E não se esqueça que cada escola poderá enviar para a etapa municipal apenas um texto por categoria.


Como organizar os textos selecionados pela Comissão Julgadora Escolar?

O aluno autor do texto selecionado pela Comissão Julgadora Escolar passará a limpo, à tinta, sua produção em uma única folha oficial da Olimpíada, de acordo com a categoria em que está participando (pode ser só frente ou frente e verso). O recomendado pela organização da Olimpíada é fazer isso com caneta preta. Não se esqueça que não deve haver rasuras ou qualquer tipo de anotação na folha oficial. Para evitar qualquer problema, foram enviadas três folhas para cada categoria, já que não é permitido tirar fotocópias da folha oficial de textos. Caso seja necessária outra folha, é possível imprimi-la acessando a página www.olimpiada.cenpec.org.br. Folhas oficiais não utilizadas também podem ser cedidas a outras escolas.

Como enviar os textos selecionados para a Comissão Julgadora Municipal?

Os textos selecionados devem ser colocados no envelope verde e encaminhados da seguinte forma:
• Escola da rede municipal: para a Secretaria Municipal de Educação, aos cuidados do responsável pela Olimpíada no município.
• Escola da rede estadual ou federal: para a Secretaria Municipal de Educação. Caso a Secretaria Municipal não tenha feito a adesão à Olimpíada, o texto deve ser enviado para o Órgão Regional de Ensino que abrange as escolas estaduais do município.
O nome do responsável pela Olimpíada no município e o endereço para o qual devem ser enviados os textos da escola podem ser obtidos no site www.olimpiada.cenpec.org.br ou pelo telefone 0800 7719310.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Resultado do IDEB 2009

No dia 07-07-10 ,no Núcleo de Educação, as escolas representadas pelos Gestores e Coordenadores de Ensino, receberam da Equipe do referido Núcleo, um Certificado de Reconhecimento, pelo empenho e trabalho para a elevação do IDEB 2009.
O Acre está entre os 10 melhores Estados que atingiram a meta.

























segunda-feira, 5 de julho de 2010

Gestar II




No dia 01-07-10, às 16h na Praça Municipal ocorreu a culminância dos projetos elaborados e executados pelas escolas estaduais e municipais com relação à leitura e produção, com todos os materiais expostos e muitas apresentações pelos alunos. Confira fotos abaixo:



















Profª Francisca, Vicencia, Lurdinha e Cilene representando a SEE.