terça-feira, 22 de junho de 2010

Como trabalhar o assunto copa do mundo

A copa do mundo (também) é nossa!

Não adianta fugir, ser brasileiro em ano de copa do mundo implica em suspender parte da vida prática para acompanhar os jogos; e não basta ficar ciente dos placares, é necessário saber discorrer acerca do tema, pois durante um mês, ao menos quarenta por cento de todos os papos jogados fora no trabalho, no ponto de ônibus e em qualquer outro tipo de reunião social girarão em torno do mundial.

Mas como por aqui tudo pode ser motivo para ler, decidimos escalar uma seleção de craques diferente, e escolhemos entre as dezenas de livros sobre futebol expostas nas seções de destaque das livrarias alguns que julgamos mais interessantes para recomendar aos alunos e professores.

"A tarde de olhos radiosos se fez mais clara para contemplar aquele combate, enquanto os agudos gritos e imprecações em redor animavam os contedores (...). O divino Baltasar a quem Zeus infundiu sua energia e destreza arremete com a submissa pelota e vai plantá-la, qual pomba mansa, entre os pés do siderado carbanjal (...)". A narração épica de uma partida de futebol é feita por ninguém menos que Carlos Drummond de Andrade. "Quando é dia de futebol" (Editora Record) é uma reunião de crônicas, poemas e ensaios do autor sobre o esporte. O futebol é apropriado crítica e poeticamente pelos deliciosos textos de Drummond, que investiga seu fenomenal alcance na população brasileira sob uma perspectiva política e que, contrariando o distanciamento objetivo que os textos analíticos pressupõem, não esconde a paixão do autor pelo tema (e pelo Vasco, como sempre deixou bem claro). O simpático prefácio de Pelé ilustra muito bem esse enriquecedor casamento proposto por Drummond entre o futebol e a literatura, mostrando que quando o artista das mãos escreve sobre a arte dos pés, desdobra-se em um assunto tão remoído e corriqueiro a possibilidade de surpreender novamente.

Continuando com os escritos de grandes autores sobre a paixão nacional, "Donos da bola" (Editora Língua Geral) é uma coletânea que reúne um time de mestres como Clarice Lispector, Chico Buarque, Nelson Motta, Jorge Ben e Vinicius de Moraes. Crônicas, contos, letras de música e poesia são os gêneros utilizados pelos autores para expressar os diversos olhares possíveis sobre o esporte, produzindo no leitor uma compreensão mais abrangente sobre a complexidade do fenômeno.

Para os que gostam de biografias, saiu pela Panda Books o livro "Charles Miller- O pai do futebol brasileiro" a respeito da vida do homem que trouxe o futebol para o Brasil (e que apesar do nome e da ascendência, também era brasileiro). Contada pelo historiador John Mills, a narrativa traz fotos, documentos inéditos e relatos até então desconhecidos, importantes não apenas para conhecer a história do jogador pioneiro, como para entendermos as circunstâncias e o contexto brasileiro que possibilitaram o futebol a se tornar o que é hoje.

"As melhores seleções brasileiras de todos os tempos" (Contexto) é uma detalhada descrição técnica e histórica daquelas que Milton Leite, o famoso narrador do Sportv, julga serem as melhores seleções que já vestiram a camisa amarela. As seis equipes escolhidas pelo autor trazem perfis de todos os jogadores, estratégias táticas, fotos e curiosidades. É bastante interessante para aqueles que desejam ampliar o repertório futebolístico histórico.

Quem buscar uma análise aprofundada do papel do futebol na formação da identidade brasileira não pode deixar de ler "Veneno Remédio" (Cia. Das Letras) de José Miguel Wisnik. Em certo trecho, o autor define o futebol como "o nó cego em que a cultura e a sociedade se expõem no seu ponto ao mesmo tempo mais visível e invisível". Não é difícil perceber que a densidade da abordagem (sócio-histórico-econômico-ideológico-político-cultural, para tentar dar a dimensão analítica do texto) de Wisnik foge ao senso comum e questiona com muita propriedade as contradições e o lugar desse esporte no cenário nacional.

É claro que a literatura infanto-juvenil não fica de fora. Luís Fernando Veríssimo acaba de lançar "O cachorro que jogava na ponta esquerda", pela Rocco, numa coleção chamada Gol de Letras. O livro traz histórias bem-humoradas de sua infância de jogos no campinho e do cachorro que sempre acompanhava seu time. Pela mesma coleção, saiu também "Júnior - minha paixão pelo futebol", livro autobiográfico do ídolo flamenguista que conta, numa escrita leve e agradável, sua trajetória desde a infância até o seu encontro com o futebol profissional.

Por último vale falar dos novos trabalhos de Ziraldo. A coleção "Maiores Clubes" lançada pela Editora Globo traz as histórias e curiosidades de quatro dos principais times brasileiros em quadrinhos. O nono, vovô italiano, é o narrador das primeiras histórias de "Verdão - o campeão do século", sobre o Palmeiras. O Corinthians é paixão de Mosquetinho e toda sua família, esse tendo também um avô que lhe conta sobre os títulos, símbolos no "Todo-poderoso timão". Os cariocas Vasco e o Flamengo são descritos em "Vascão - o gigante da colina" e "O mais querido do Brasil".

As dicas estão dadas, agora que tal aproveitar a copa para estimular seus alunos a ampliarem o repertório literário com um assunto que tanto interessa e faz parte da vida de todos?

quarta-feira, 9 de junho de 2010

PROACRE


No domingo, dia 23, foi implantado na comunidade Perseverança, no rio Tarauacá, em Tarauacá, o Programa de Inclusão Social e Desenvolvimento Econômico Sustentável do Acre (ProAcre) eixo dos investimentos que o Governo busca para fazer do Acre o melhor lugar para se viver na Amazônia levando serviços básicos e estruturantes às Zonas de Atendimento Prioritário (ZAPs) nas comunidades mais distantes. Nesse contexto, Perseverança foi instituída como uma comunidade-polo, que serve de referência às comunidades menores, denominadas Comunidades de Atendimento Universal (CAU) e Comunidades de Atendimento Prioritário (CAP).
Perseverança pertencia ao município amazonense de Envira e foi incorporada ao Acre pelo novo traçado da Linha Cunha Gomes, e está sendo atualmente sede de uma série de serviços em saúde, educação e de fortalecimento da produção.
Perseverança passou a ser sede de ações do ProAcre, como o Programa de Saúde da Família (PSF Móvel) e o Asas da Florestania, que está assegurando inclusive ensino médio nas localidades mais remotas..
O ProAcre tem previsão de duração de seis anos com investimentos de US$ 150 milhões, sendo que US$ 120 milhões são recursos do Banco Mundial e US$ 30 milhões são a contrapartida do Governo do Estado.
São de mais de R$ 5 milhões que as ações do ProAcre aplicam na comunidade. Em saúde, os recursos são para implantação de duas equipes do Programa de Saúde da Família (PSF Móvel). Na área de fortalecimento da produção, os moradores estão se organizando em associação para acesso aos programas de compra da produção, transporte, implantação de roçados sustentáveis, assistência técnica e extensão rural.
Na área de educação, o ProAcre repassa dinheiro direto para os Conselhos Escolares. No caso da região de Perseverança, 55 comunidades escolares serão atendidas com reformas e ampliação das sedes. A maioria das escolas é municipal. Os recursos de quase R$ 1,8 milhão, permitirão atender também crianças no Asinhas da Florestania, ampliar a oferta de vagas no Asas da Florestania Ensino Médio, ampliar o atendimento da Escola Ativa e na Educação de Jovens e Adultos.

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Quem faz a diferença!

MOVIMENTO MULHER
Foi realizado dia 28/05/10,no Salão Social da Loja Maçônica, o primeiro movimento Rede Mulher de Tarauacá, tendo à frente da organização a professora Francisca Aragão, que contou com a colaboração de várias mulheres. Esse movimento visa colocar as mulheres a par de seus direitos, mostrar como e onde recorrer quando houver necessidade.
Na composição da mesa estavam a Drª Andréa, Juíza da Comarca de Tarauacá, as Promotoras de Justiça, representando o Ministério Público, as palestrantes Amine Carvalho Santana Presidente do CEDIM (Conselho Estadual dos Direitos da Mulher), Maria Araújo Aquino – Assessora Especial da Mulher e Vice-Presidente do CEDIM, Joelda da Silva Pais Conselheira também do CEDIM, Maria do Carmo, Presidente da UTM (União Tarauacaense de Mulheres) e fechando com Josman Nery, representante da Fundação Elias Mansour em Tarauacá.















Equipe Organizadora













Salão Social da Loja Maçonica












Profª Francisca Aragão



Contamos com
344 assinaturas
de participantes











RECADASTRAMENTO DO FNDE
O recadastramento dos Conselhos escolares já está disponível no site http://www.fnde.gov.br/pdde até o dia 10 de julho do corrente ano. Lembrando a todas as escolas que não deixem para última hora. Caso a escola não faça o devido recadastramento será suspenso o recebimento dos recursos.
OLIMPÍADA DE LÍNGUA PORTUGUESA

As inscrições para a participação nas Olimpíadas de Língua Portuguesa foram prorrogadas até o dia 07-06-10.
Agora é só as escolas se prepararem para fazer bonito, como a aluna Caroline de Cruzeiro do Sul. Veja o texto escrito por ela e que ganhou o prêmio no gênero Memórias.
Lá onde o vento faz a curva. O texto está escrito conforme o original.

Aluna: Caroline Souza de Freitas

Era uma manhã quente do mês de julho. Abri a janela do meu quarto, olhei as crianças que brincavam em frente a minha casa. No mesmo instante foi como se tivesse passado um filme na minha memória.
Lembrei de que no rio que cortava a cidade pessoas banhavam-se e lavavam roupas. Os barcos pequenos atracavam onde hoje se encontra a praça de táxi. Era tudo muito verde: os pastos, gramados e capoeiras. Tudo misturava-se com a cidade. Em meio ao verde refrescante lojas e edifícios aumentavam o calor deste lugar.
Naquele tempo as notícias eram a especialidade do Zezinho Caçote. Ele passava às 24 horas do dia com o rádio a pilha sintonizado na BBC de Londres, na Voz da Amérida e na Rádio Globo. E nada escapava aos ouvidos desse senhor que perambulava pelas ruas da cidade com o rádio apoiado no ombro. Além de dar as notícias do Brasil e do mundo, Zezinho se comprazia em encher o interlocutor de perguntas intrigantes: "Sabe o que é guerra fria?", "Os russos ainda têm muitas ogivas nucleares?". Mas, quando o negócio era a previsão do tempo, os moradores recorriam ao Deodato, o carregador de água, que dizia: "Amanhã vai chover". E, se alguém no dia seguinte vinha cobrar a chuva que não caira, ele não se dava por derrotado, respondia dizendo que de fato não chovera, mas com certeza o temporal havia atingido as cabeceiras dos rios.
Os meios de transporte mais utilizados eram o carro de boi, cavalos, canoas e as chatas - tipo de barco que transportavam as borrachas dos seringais para os centros de comercialização. Para se comprar carne no único mercado era uma luta, as pessoas tinham que chegar de madrugada e deixar uma cesta amarrada numa corda chamada "cobrinha" e torcer para ainda haver carne no momento de ser atendido.
Toda noite nos reuníamos e os mais velhos contavam histórias de assombrações, reis, rainhas e fantasmas.
Antigamente, havia a brincadeira do bumba-meu-boi, ocasião em que as pessoas se divertiam e as crianças morriam de medo dos caretas, que eram os homens mascarados.
Naquela época, as festas eram a especialidade do Ibianez. Foi ele o introdutor da festa do boi-bumbá e da marujada em Cruzeiro do Sul. Negro, forte, atarracado, o Ibianez alegrava as famílias batendo de porta em porta com seus versos ritmados de marujo. Festa com ele só tinha hora pra começar.
Ah, como eu tenho saudades desse tempo! Esses acontecimentos eram propícios para encontros de amigos e namorados. Ali ninguém tinha maldade no coração, só queríamos nos divertir.
Antes da chegada da televisão, em meados da década de 1970, o dia-a-dia da minha cidade era mais interessante. E se falo da televisão é porque até a chegada desses aparelhos moradores compartilhavam nas janelas, praças e calçadas suas angústias, alegrias e conhecimento com muito mais intensidade.
De repente, o telefone tocou e voltei aos dias atuais. Lembrei-me de que estou no século XXI. Vejo ônibus, carros de luxo, internet, televisão colorida, previsão de tempo na TV, queimadas, rios secando, árvores tombando, o ar sujo, o vento sem frescor, a fome na periferia.
Também vejo um pouco de amor, solidariedade, homens que se respeitam e se ajudam.
Estou hoje com 51 anos e sempre me lembrarei da minha cidadezinha, que ficou "lá onde o vento faz a curva", e contagia a todos, já que nem tudo está perdido.
(Texto escrito com base na entrevista realizada com dona Edileuza Soares, 57 anos, moradora da cidade de Cruzeiro do Sul - Acre)
Professora: ANA LIMA CORDEIRO GOMES
Escola: SÃO JOSÉ
Cidade: CRUZEIRO DO SUL – AC

quarta-feira, 2 de junho de 2010

LANÇAMENTO DO PRÊMIO DE GESTÃO ESCOLAR

No dia 26-04-10, no Auditório da escola de Ensino Médio, foi feito o Lançamento do Prêmio de Gestão escolar. Estavam presentes todos os gestores das Redes Estadual e Municipal de Tarauacá. Ano passado três escolas foram classificadas: Tupanir Gaudêncio da Costa, Rosaura Mourão da Rocha e Djalma da Cunha Batista.

terça-feira, 1 de junho de 2010

Lançamento do Blog

A partir de hoje ( 01-06-2010), todas as atividades realizadas e a serem realizadas pelo Núcleo de Educação de Tarauacá, estarão sendo divulgadas em nosso Blog.

Veja nossa Equipe: