sexta-feira, 20 de outubro de 2017

IDM abre inscrições para cursos técnicos à distância

O Instituto Dom Moacyr (IDM) abre inscrições para cursos técnicos nas área de Turismo e Hospitalidade, Saúde e Gastronomia, voltados ao público em geral que residem em Rio Branco Cruzeiro do Sul, Tarauacá e Porto Acre. A iniciativa conta com parceria do governo do Estado, por meio da Secretaria de Turismo e Lazer (Setul) e Secretaria Municipal de Assistência Social (Semcas).

As inscrições seguem até 9 de novembro e podem ser feitas na sede da Setul, localizada na Arena da Floresta, e na Semcas, na Rua do Aviário, 972. Outros pontos são a Escola Campos Pereira, Escola Maria Moreira da Rocha e os Cras do Calafate, Sobral, Tancredo Neves, Santa Inês, São Francisco, Nova Estação e Cidade Nova.

As aulas serão à distância (EaD), com carga horária de 156 a 900 horas, se iniciando no dia 18 de dezembro. Ao todo, serão 50 vagas para cada turma. O pré-requisito é ter o ensino médio concluído.

Áreas dos cursos
Rio Branco

Técnico em Agenciamento de Viagem

Técnico em Guia de Turismo

Técnico em Hospedagem

Técnico em Restaurante e Bar

Técnico em Gerência de Saúde
Endereços para inscrição

ESCOLA CAMPOS PEREIRA (CEPT SERVIÇOS)

Rua Riachuelo, 138. bairro José Augusto

Fone: (68) 3224-3684

ESCOLA MARIA MOREIRA DA ROCHA (CEPT SAÚDE)

BR 364, km 02, bairro Distrito Industrial

Fone: (68) 3226-7330

CRAS CALAFATE

Estrada do Calafate, 3937, antigo Posto de Saúde, bairro Calafate

Fone: (68) 3225-1062

CRAS SOBRAL

Rua São Salvador, 125, bairro Sobral/Bahia Velha

Fone: (68) 3225-0787

CRAS TANCREDO NEVES

Rua Antonio Pessoa Jucá, 810, bairro Tancredo Neves

Fone: (68) 3228-1334

CRAS SANTA INÊS

Rua da Sanacre, 1327, bairro Santa Inês

Fone: (68) 3221-8311

CRAS SÃO FRANCISCO

Estrada do São Francisco, 1652, bairro São Francisco

Fone: (68) 3224-5874

CRAS NOVA ESTAÇÃO

Rua Belém, bairro Nova Estação

Fone: (68) 3211-2460

CRAS CIDADE NOVA

Avenida Uirapuru, bairro Cidade Nova

Fone: (68) 3211-2460
Cruzeiro do Sul

Técnico em Vigilância em Saúde

Técnico em Gerência de Saúde
Local de inscrições

Centro de Educação Profissional e Tecnológica do Juruá (Ceflora)

Rua Paraná, nº 865 – 25 de Agosto
Tarauacá

Técnico em Vigilância de Saúde

Núcleo de Educação Profissional
Porto Acre

Técnico em Vigilância de Saúde

Unidades do CRAS de Rio Branco

(Agência Acre)

ASSESSORES PEDAGÓGICOS DO NÚCLEO VÃO À ESCOLA DE ENSINO MÉDIO CONVERSAR COM ESTUDANTES DO TERCEIRO ANO


Nesta quinta feira, 19 de outubro, os Professores Assessores Pedagógicos do Núcleo de Educação de Tarauacá, Léa Freitas e Darleilson Cavalcante,  estiveram na Escola de Ensino Médio Djalma Batista, ministrando uma palestra com Orientações do Sistema Estadual de Avaliação da Aprendizagem Escolar - SEAPE e PROVA Brasil. Ouve também uma avaliação de rendimento Escolar. 

A ação pedagógica teve como público realizado estudantes do 3º ano, turmas "H" e "I".

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Governo lança edital para educadores indígenas do Quero Ler

O governo do Acre lançou na manhã desta segunda-feira, 16, o edital para alfabetizadores indígenas do Programa Quero Ler. O evento realizado na Casa Civil representa um marco na educação do Estado, pois visa contratar profissionais indígenas para educar estudantes em suas próprias comunidades.

Durante a solenidade Tião Viana disse que o edital é uma forma de garantir a alfabetização dos povos indígenas e honrar com o compromisso histórico de valorizar a cultura e os saberes dos povos tradicionais da Amazônia.

“Dizem que a maior dívida do Brasil é a moral com os povos indígenas. E aqui no Acre nós estamos ajudando a romper essa escuridão e essa dívida histórica com as nossas comunidades ao valorizar a educação escolar desses povos”, ressalta o governador.

Josias Kaxinawa disse que ao abrir um processo seletivo somente para professores indígenas, o governo está dando um grande passo a nível nacional. “O Acre é pioneiro nas lutas das causas indígenas e esse edital é uma prova de que o Estado é sensível ás nossas necessidades, e por isso se destaca no cenário nacional quando o assunto é valorização das populações tradicionais ”, destaca.
O edital

O edital contempla 34 terras indígenas em 12 municípios acreanos. Com isso, o Programa de Alfabetização vai abrir 212 turmas para beneficiar diretamente 2.120 alunos.

Marco Brandão, secretário estadual de Educação e Esporte (SEE), lembrou que o Quero Ler está levando a alfabetização para todas as regiões acreanas. “Este é um ato histórico para o Acre, porque é um edital exclusivo para professores indígenas que irão alfabetizar os adultos de suas aldeias respeitando as particularidades de cada povo”, destaca.

As inscrições para alfabetizadores poderão ser feitas nos núcleos da Secretaria de Educação nos municípios de abrangência do certame. Começam no dia 20 de outubro e vão até 20 de novembro. O edital e as informações completas encontram-se na página da SEE. http://see.ac.gov.br/portal/
Quero Ler

O Quero Ler visa erradicar o analfabetismo na região até 2018. Até o momento, mais de 22 mil jovens e adultos foram alfabetizados em diferentes localidades. Outros 15 mil estão matriculados, no momento.

“Estamos vendo na prática uma ação concreta rumo à melhoria do ensino nas nossas aldeias, pois será uma oportunidade de docentes indígenas lecionarem para estudantes indígenas”, explica Zezinho Kaxinawa, assessor de assuntos indígenas do Acre. (Agência de Notícias do Acre)

PROFESSORA FRANCISCA ARAGÃO RECEBE TÉCNICOS DO CENSO ESCOLAR E DO SIMAED


A Professora Francisca Aragão, Coordenadora Estadual de Educação, recebeu a visita das técnicas Redinalva da Silva Pinto e Lindalva Bezerra da Silva que estão visitando o município para acompanhamento de Censo Escolar realizado nas escolas públicas do município.

O Censo Escolar, tem sido um bom exercício para o desenvolvimento do regime de colaboração e  sua realização exige a participação de todos os níveis de gestão educacional e o envolvimento direto de todas as escolas.

As informações levantadas pelo Censo Escolar orientam não apenas os programas desenvolvidos pelo Ministério da Educação, mas as ações das secretarias de educação dos estados e municípios.

Também esteve presenta na visita ao núcleo, o Técnico Silozeno da Silva Simões do SIMAED - Sistema Integrado de Monitoramento e Avaliação Educacional do Acre.

O software lançado em 2014,  instrumentaliza as escolas e todos os órgãos da SEE com informações atualizadas de todos os alunos da rede, incluindo a facilidade na realização de processos administrativos das unidades escolares (matrículas, acesso a resultados de avaliações, entre outros), acesso público à informação do funcionamento e dos resultados das escolas, e maior agilidade no preenchimento do Educacenso, ferramenta detalhada do sistema educacional brasileiro.

domingo, 15 de outubro de 2017

PALESTRAS PARA ESTUDANTES TÊM COMO FOCO CENTRAL OS VALORES DA VIDA E A PROVA BRASIL.


Professora Francisca Aragão em um diálogo franco e aberto com os alunos do nono ano das escolas da Rede Estadual de Ensino em Tarauacá, de ensino fundamental e médio, sobre a importância do estudo para a formação do verdadeiro cidadão. 


O objetivo das palestras, além de promover a civilidade, ética e o respeito aos valores da família, é também falar da importância e estimular os estudantes a se prepararem para a realização da Prova Brasil que será aplicada entre os dias 23 de outubro e 3 de novembro

A Prova Brasil avalia os conhecimentos dos alunos em matemática e língua portuguesa. O resultado do desempenho é um dos elementos que compõem o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), calculado por escola.

Nesta edição, a população que será avaliada será composta por:

- escolas públicas localizadas em zonas urbanas e rurais que tenham dez ou mais alunos matriculados em cada uma das etapas de 5º e 9º anos (4ª e 8ª séries) do ensino fundamental;

- escolas públicas localizadas em zonas urbanas e rurais que tenham pelo menos dez alunos matriculados em cada uma das etapas de 3ª ou 4ª série do ensino médio, quando essa última for a série de conclusão do ensino médio;

- uma amostra de escolas privadas localizadas em zonas urbanas e rurais que tenham pelo menos 10 alunos matriculados em cada uma das etapas de 5º e 9º anos (4ª e 8ª séries) do ensino fundamental e de 3ª ou 4ª séries do ensino médio, quando essa última for a série de conclusão do ensino médio, distribuídas nas 27 unidades da Federação;

- mediante adesão, escolas privadas localizadas em zonas urbanas e rurais que tenham pelo menos dez alunos matriculados na 3ª série ou na 4ª série do ensino médio, quando essa última for a série de conclusão do ensino médio.

Sistema nacional de avaliação

A Prova Brasil é um dos dois elementos que compõem o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb): o cálculo do Ideb é feito usando os resultados da prova e informações sobre a aprovação ou repetência dos estudantes. Essa prova faz parte da Avaliação Nacional da Educação Básica (Aneb), uma das três avaliações que integram o Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb).

Até hoje, porém, apenas as edições da Prova Brasil do ensino fundamental eram aplicadas de forma censitária, ou seja, para todos os estudantes do 5º e do 9º ano do fundamental. Como resultado, no Saeb 2015, 3.986.190 estudantes participaram da prova: 2.071.581 do 5º ano do fundamental, 1.842.034 do 9º ano do fundamental, e apenas 72.575 estudantes do 3º ano do ensino médio.

Além disso, 38.155 escolas públicas tiveram os dados divulgados para o 5º ano do fundamental, e 29.620 escolas públicas receberam os resultados para o 9º ano. Já no ensino médio, os resultados foram divugados apenas em nível estadual e nacional.

Com a mudança, o Inep estima que 2,4 milhões de estudantes do 3º ano do ensino médio, tanto de escolas públicas quanto privadas, participem da Prova Brasil. No total, o governo prevê que cerca de 7,5 milhões de estudantes façam as provas.

MENSAGEM AOS PROFESSORES


Muito já foi dito sobre o professor e sua importância. Diante dessa figura, surgem inúmeras imagens: a do mestre, do guia espiritual, do mediador cultural, do parceiro, do facilitador de conhecimento, do amigo. 

Certamente ele é tudo isso. Mas o professor não pode ser visto apenas como entidade abstrata, dotada de valores nobres ou superiores. Ele é também alguém de carne e osso, que chora, que ri, que tem necessidades e contradições, que sonha e que ama. 

É a partir desse olhar que ele deve ser reconhecido e valorizado: não apenas como profissional responsável pela produção e difusão do saber ou como alguém que facilita o acesso dos estudantes ao conhecimento. 

O professor deve ser visto sobretudo como alguém que forma seres humanos melhores, capazes de transformar o mundo e a sociedade em que vivem. Sem esse olhar, não podemos pensar em uma educação mais humana e sensível. 

É assim que vemos o nosso professor. Neste dia especial, queremos parabenizar a todos esses profissionais que contribuem a cada dia para a formação da nossa sociedade. (UFMA)

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

PROFESSORA FRANCISCA ARAGÃO MINISTRA PALESTRA PARA ESTUDANTES DE EJA


Temas como sobre valores éticos, atitudes comportamento, ações, determinação e espaço social, foram pautas de mais uma palestra ministrada peça Professora Francisca Aragão em Tarauacá. 


Dessa vez, para estudantes da Educação de Jovens e Adultos - EJA, na Escola João Ribeiro.  

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Governo anuncia concurso público para professores indígenas

Um novo marco rumo à valorização da Educação Indígena no Acre começa agora com o anúncio de concurso público para professores indígenas nos municípios mais distantes da capital, sobretudo os localizados na região do Vale do Purus e do Vale do Juruá.

O edital, com as regras do certame, será divulgado já em novembro próximo e faz parte de uma série de compromissos firmados pela administração do governador Tião Viana, por meio da Secretaria de Estado de Educação e Esporte (SEE), para valorizar o ensino e a aprendizagem nas escolas do interior do estado.

O novo concurso é para contratação efetiva e foi anunciado pelo próprio secretário de Educação, Marco Antonio Brandão, em visita de três dias a Santa Rosa do Purus, Jordão, Porto Walter e Marechal Thaumaturgo, localidades de população predominantemente indígena e para as quais o governo do Estado vem reforçando seus programas de infraestrutura, visando o bem-estar social dessas comunidades e o crescimento regional.

“É o primeiro concurso público para professores indígenas em 20 anos, com o edital sendo lançado já em novembro próximo”, comemora Brandão. “O concurso faz parte de um tratamento especial que estamos prestando à comunidade interiorana, que já está podendo desfrutar também outros benefícios igualmente importantes para as pessoas.”

Ele se refere à climatização das escolas, com a instalação de aparelhos de ar-condicionado também nos estabelecimentos do interior, e das reformas de salas de aula, contemplando-as com troca de telhados, novas pinturas e revitalização de outros espaços.

Para o assessor pedagógico João Domingos Kaxinawá, que atua em Santa Rosa do Purus, o concurso elaborado pelo governo do Estado é muito mais que a valorização do docente indígena.

“É uma oportunidade grandiosa de podermos contar com professores compromissados com nossas aldeias e com nossa gente”, afirma, lembrando que o grande gargalo hoje é o desinteresse da maioria dos professores provisórios pela sala de aula indígena.

Já para o professor Alexandre Arara, de Porto Walter, o concurso será a garantia da tão sonhada estabilidade e da fixação do professor indígena nas salas de aula.

“É algo que vínhamos esperando havia muitos anos”, lembra o educador, que faz parte da etnia Arara, a única existente em Porto Walter, ao contrário das demais localidades na região, onde o pluralismo reina.

Em Jordão, o vereador Fernando Barbosa Siã Kaxinawá também elogiou o certame. “Sem dúvida, trará dignidade e mais respeito para nosso povo.”

De acordo com a Comissão Pró-Índio do Acre, no estado vivem pelo menos 17 mil indígenas, em cerca de 200 aldeias distribuídas em 36 terras reconhecidas. A área estimada de onde eles estão é de 2.439.982 hectares, o que equivale a 16% da extensão do estado.

Meta é descentralizar recursos e incentivar a merenda regional

Um novo modelo de gestão para a Educação Indígena começa a se delinear no Acre, encabeçado pela própria Secretaria de Estado de Educação e Esporte (SEE). E dois aspectos fundamentais dessa mudança chamam atenção pela forma como vão melhorar o sistema.

A primeira delas é a criação de cooperativas tocadas pelos próprios indígenas na área da merenda escolar. Banana, melancia e amendoim, por exemplo, podem ser cultivadas sistematicamente para atender as escolas indígenas.

O outro fator é descentralizar os recursos originários do governo federal e de outras instituições para o povo indígena.

“A ideia é que eles possam construir a escola de acordo com a própria realidade, já que os recursos virão direto para essas populações”, frisa o secretário Marco Brandão. (Secom/Acre)